Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/05/2018

25 de Maio de 2018

Livros do Antigo Testamento (35)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Maio de 2018

Livros do Antigo Testamento (35)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

29/12/2017 00:00

Livros do Antigo Testamento (35) 0

29/12/2017 00:00

Neste artigo traçaremos um caminho, aquele das Pragas do Egito. Deus através dos egípcios, endurecidos de coração, servirão de testemunho ao Povo de Israel da Vontade Determinada de Deus em retirá-los do Egito e conduzi-los a salvo pelas mãos de Moisés para a Terra prometida.

1. Ex 6-12: As Pragas do Egito

A história das dez pragas do Egito tem como contexto o período em que o povo de Israel se tornou escravo no Egito. Tinha ido para aquelas terras porque em Israel havia muita carestia e lá abundava de alimentos e havia José, que era amigo do povo.

Por isso foram bem recebidos. Com o tempo, invés, depois da morte de José, o povo de Israel começou a ser mal visto e foi escravizado. Deus mandou Moisés para libertá-lo e conduzi-lo à Terra Prometida.

Essa libertação não foi pacífica, pois o Faraó, que governava o Egito, não queria perder a mão de obra barata. Para forçar o Faraó a deixar o povo partir, Deus manda as dez pragas. Melhor de tudo é ler a história, como contada no Livro do Êxodo, principalmente a partir do Capítulo 5.

As pragas (seria melhor falar em “prodígios” ou “sinais”) são narradas, a partir de Êxodo 7,10 - 11,10, nessa ordem:

Estas terríveis pragas tinham por objetivo conduzir Faraó ao arrependimento e revelar que Yhaweh é o único verdadeiro Deus, o Rei soberano no universo. Faraó era o título dado ao rei do Egito, e ele se autointitulava “filho de Rá”, como um deus.

Além do deus falso Rá, os egípcios criam em um panteão de outros deuses que eram tidos como os responsáveis pela vida, fertilidade, imortalidade etc. Sendo que os israelitas foram reduzidos à escravidão por muitos anos, os egípcios, por meio do seu contato com eles, tiveram uma oportunidade de conhecer sobre o verdadeiro Deus.

As orações dos israelitas, que clamavam por libertação da opressão, haviam ascendido aos céus, e Yahweh os ouviu. Moisés e Arão eram irmãos, e foram enviados por Deus para anunciar os juízos iminentes que cairiam sobre o Egito caso Faraó e seus oficiais não permitissem que os hebreus saíssem para adorar o Senhor no deserto.

O objetivo das dez pragas era revelar a grandeza, poder e soberania de Yahweh como único e verdadeiro Deus, em contraste com as falsas deidades egípcias. Faraó devia reconhecer e confessar que o Deus dos hebreus era supremo e que o Seu poder estava acima do rei do Egito e da nação que ele governava (Êxodo 9:16; 1 Samuel 4:8).

As pragas foram juízos contra os egípcios, seus deuses e sua falsa religião (Êxodo 12:12). Como foi que isso aconteceu? Por que águas se transformaram em sangue? Por que pragas como infestações de rãs, piolhos e moscas aconteceram?

Por que houve pestes no rebanho, feridas malignas nos egípcios, chuva de pedras, infestação de gafanhotos, escuridão e morte dos primogênitos? Existe algum significado para tudo isso?

1. Água transformada em sangue (Êxodo 7,14-25)

2. As rãs (Êxodo 7,26 - 8,11)

3. Os mosquitos (Êxodo 8,12-15)

4. As moscas (Êxodo 8,16-28)

5. A peste dos animais (Êxodo 9,1-7)

6. As úlceras (Êxodo 9,8-12)

7. A chuva de pedras (Êxodo 9,13-35)

8. Os gafanhotos (Êxodo 10,1-20)

9. As trevas (Êxodo 10,21-29)

10. A morte dos primogênitos (Êxodo 11)

Em cada uma destas histórias é Israel o alvo. Este Povo deve aprender a confiar e obedecer a Deus e se deixar guiar por Moisés e Aarão, que os conduzirão pelo deserto.

2. Primeira Praga: Água transformada em sangue (Êxodo 7,14-25)

Assim diz o Senhor: “Nisto saberás que Eu sou o Senhor: Eis que Eu com esta vara, que tenho em Minha mão, ferirei as águas que estão no rio, e tornar-se-ão em sangue. E os peixes, que estão no rio, morrerão, e o rio cheirará mal; e os egípcios terão nojo de beber da água do rio” (Ex 7, 17-18).

Na primeira praga encontramo-nos diante de um mal, que não era indiferente. Chamava a atenção um sinal que atingisse a circulação de água potável numa civilização construída em torno de um deserto.

O Nilo e seus afluentes eram a ‘joia da coroa’. Sem água, homens e animais, agricultura e higiene não estariam garantidas, seria a crise desta poderosa civilização.

Mas, apesar disso, os magos do Faraó, simulam sinais semelhantes, de modo que o Faraó pode ‘virar as costas’ para Moisés e Aarão.

Porém os magos do Egito também fizeram o mesmo com os seus encantamentos, de modo que o coração de Faraó se endureceu, e não os ouviu, como o Senhor tinha dito. E virou-se Faraó, e foi para sua casa; nem ainda nisto pôs seu coração (Ex 7, 22-23).

Num mundo tecnológico e rápido, os ‘magos’ de plantão seguem iludindo os poderosos deste mundo que as ‘ações de Deus’ são ineficazes.

3. Segunda Praga: Ex 8: As rãs do Egito (Êxodo 7,26 - 8,11)

Depois disse o SENHOR a Moisés: “Vai a Faraó e dize-lhe: Assim diz o SENHOR: Deixa ir o Meu povo, para que Me sirva. E se recusares deixá-lo ir, eis que ferirei com rãs todos os teus termos. E o rio criará rãs, que subirão e virão à tua casa, e ao teu dormitório, e sobre a tua cama, e às casas dos teus servos, e sobre o teu povo, e aos teus fornos, e às tuas amassadeiras. E as rãs subirão sobre ti, e sobre o teu povo, e sobre todos os teus servos (Ex 8, 1-4).

O leitmotiv, isto é, o tema de fundo, que volta sempre à tona, é ‘Deixa ir o meu povo, para que me sirva’. Não se trata somente de sair do Egito e viver como deseja, sem patrões humanos.

Israel irá aprender às duras penas quem é o Senhor e como servi-Lo fiel e dignamente.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Livros do Antigo Testamento (35)

29/12/2017 00:00

Neste artigo traçaremos um caminho, aquele das Pragas do Egito. Deus através dos egípcios, endurecidos de coração, servirão de testemunho ao Povo de Israel da Vontade Determinada de Deus em retirá-los do Egito e conduzi-los a salvo pelas mãos de Moisés para a Terra prometida.

1. Ex 6-12: As Pragas do Egito

A história das dez pragas do Egito tem como contexto o período em que o povo de Israel se tornou escravo no Egito. Tinha ido para aquelas terras porque em Israel havia muita carestia e lá abundava de alimentos e havia José, que era amigo do povo.

Por isso foram bem recebidos. Com o tempo, invés, depois da morte de José, o povo de Israel começou a ser mal visto e foi escravizado. Deus mandou Moisés para libertá-lo e conduzi-lo à Terra Prometida.

Essa libertação não foi pacífica, pois o Faraó, que governava o Egito, não queria perder a mão de obra barata. Para forçar o Faraó a deixar o povo partir, Deus manda as dez pragas. Melhor de tudo é ler a história, como contada no Livro do Êxodo, principalmente a partir do Capítulo 5.

As pragas (seria melhor falar em “prodígios” ou “sinais”) são narradas, a partir de Êxodo 7,10 - 11,10, nessa ordem:

Estas terríveis pragas tinham por objetivo conduzir Faraó ao arrependimento e revelar que Yhaweh é o único verdadeiro Deus, o Rei soberano no universo. Faraó era o título dado ao rei do Egito, e ele se autointitulava “filho de Rá”, como um deus.

Além do deus falso Rá, os egípcios criam em um panteão de outros deuses que eram tidos como os responsáveis pela vida, fertilidade, imortalidade etc. Sendo que os israelitas foram reduzidos à escravidão por muitos anos, os egípcios, por meio do seu contato com eles, tiveram uma oportunidade de conhecer sobre o verdadeiro Deus.

As orações dos israelitas, que clamavam por libertação da opressão, haviam ascendido aos céus, e Yahweh os ouviu. Moisés e Arão eram irmãos, e foram enviados por Deus para anunciar os juízos iminentes que cairiam sobre o Egito caso Faraó e seus oficiais não permitissem que os hebreus saíssem para adorar o Senhor no deserto.

O objetivo das dez pragas era revelar a grandeza, poder e soberania de Yahweh como único e verdadeiro Deus, em contraste com as falsas deidades egípcias. Faraó devia reconhecer e confessar que o Deus dos hebreus era supremo e que o Seu poder estava acima do rei do Egito e da nação que ele governava (Êxodo 9:16; 1 Samuel 4:8).

As pragas foram juízos contra os egípcios, seus deuses e sua falsa religião (Êxodo 12:12). Como foi que isso aconteceu? Por que águas se transformaram em sangue? Por que pragas como infestações de rãs, piolhos e moscas aconteceram?

Por que houve pestes no rebanho, feridas malignas nos egípcios, chuva de pedras, infestação de gafanhotos, escuridão e morte dos primogênitos? Existe algum significado para tudo isso?

1. Água transformada em sangue (Êxodo 7,14-25)

2. As rãs (Êxodo 7,26 - 8,11)

3. Os mosquitos (Êxodo 8,12-15)

4. As moscas (Êxodo 8,16-28)

5. A peste dos animais (Êxodo 9,1-7)

6. As úlceras (Êxodo 9,8-12)

7. A chuva de pedras (Êxodo 9,13-35)

8. Os gafanhotos (Êxodo 10,1-20)

9. As trevas (Êxodo 10,21-29)

10. A morte dos primogênitos (Êxodo 11)

Em cada uma destas histórias é Israel o alvo. Este Povo deve aprender a confiar e obedecer a Deus e se deixar guiar por Moisés e Aarão, que os conduzirão pelo deserto.

2. Primeira Praga: Água transformada em sangue (Êxodo 7,14-25)

Assim diz o Senhor: “Nisto saberás que Eu sou o Senhor: Eis que Eu com esta vara, que tenho em Minha mão, ferirei as águas que estão no rio, e tornar-se-ão em sangue. E os peixes, que estão no rio, morrerão, e o rio cheirará mal; e os egípcios terão nojo de beber da água do rio” (Ex 7, 17-18).

Na primeira praga encontramo-nos diante de um mal, que não era indiferente. Chamava a atenção um sinal que atingisse a circulação de água potável numa civilização construída em torno de um deserto.

O Nilo e seus afluentes eram a ‘joia da coroa’. Sem água, homens e animais, agricultura e higiene não estariam garantidas, seria a crise desta poderosa civilização.

Mas, apesar disso, os magos do Faraó, simulam sinais semelhantes, de modo que o Faraó pode ‘virar as costas’ para Moisés e Aarão.

Porém os magos do Egito também fizeram o mesmo com os seus encantamentos, de modo que o coração de Faraó se endureceu, e não os ouviu, como o Senhor tinha dito. E virou-se Faraó, e foi para sua casa; nem ainda nisto pôs seu coração (Ex 7, 22-23).

Num mundo tecnológico e rápido, os ‘magos’ de plantão seguem iludindo os poderosos deste mundo que as ‘ações de Deus’ são ineficazes.

3. Segunda Praga: Ex 8: As rãs do Egito (Êxodo 7,26 - 8,11)

Depois disse o SENHOR a Moisés: “Vai a Faraó e dize-lhe: Assim diz o SENHOR: Deixa ir o Meu povo, para que Me sirva. E se recusares deixá-lo ir, eis que ferirei com rãs todos os teus termos. E o rio criará rãs, que subirão e virão à tua casa, e ao teu dormitório, e sobre a tua cama, e às casas dos teus servos, e sobre o teu povo, e aos teus fornos, e às tuas amassadeiras. E as rãs subirão sobre ti, e sobre o teu povo, e sobre todos os teus servos (Ex 8, 1-4).

O leitmotiv, isto é, o tema de fundo, que volta sempre à tona, é ‘Deixa ir o meu povo, para que me sirva’. Não se trata somente de sair do Egito e viver como deseja, sem patrões humanos.

Israel irá aprender às duras penas quem é o Senhor e como servi-Lo fiel e dignamente.

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos
Autor

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos

Doutor em Teologia Bíblica