Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 25º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/12/2018

13 de Dezembro de 2018

Ter o coração em Deus

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Dezembro de 2018

Ter o coração em Deus

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/03/2018 00:00

Ter o coração em Deus 0

25/03/2018 00:00

Estamos vivendo, queridos irmãos e irmãs, a Quaresma. Nesse tempo, a Igreja, nossa mãe, nos convida a nos prepararmos para a celebração dos mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Para vivermos bem essa preparação, para verdadeiramente nos aproximarmos de Deus, não há outro caminho, a não ser o da conversão. Por isso, afirmamos que a Quaresma é o tempo, em que de modo particular, podemos dizer, com mais ênfase, somos chamados a viver esse processo de transformação do nosso coração.

Converter-se, de fato, é isso, transformar o coração. “Este povo somente me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de mim. Vão é o culto que me prestam, porque ensina preceitos que só vêm dos homens”, denuncia o profeta Isaías (cf. Is 29, 13). E o próprio Senhor nos ensina: “Ouvi e aprendei. Não é aquilo que entra pela boca que mancha o homem, mas aquilo que sai dele. Eis o que mancha o homem”. (cf. Mt 15, 11).

Por isso, queridos, precisamos avaliar bem o que de fato é importante para nós, pois “onde está o teu tesouro, lá também está teu coração” (cf. 6, 21). Aquilo que guardamos no coração é no fundo o que norteia a nossa vida, a nossa maneira de agir, nossos comportamentos e nossas palavras. Se amamos ao Senhor, se temos o nosso coração voltado para Deus, guardaremos sua Palavra e procuraremos agradá-Lo com a nossa vida.

Ter o coração em Deus nos faz experimentar aquilo que o Senhor tanto deseja para nós: que tenhamos vida e a tenhamos em abundância (cf. Jo 10, 10). Por isso, busquemos as coisas do Alto, tenhamos o coração em Deus! Isso é o que mais precisamos. 

Ao olharmos hoje para a nossa cidade, nos entristecemos ao vermos tanta maldade, tanta corrupção, tanta violência. E podemos nos perguntar: por que estamos assim? Por que há pessoas que fazem isso? São pessoas más? No fundo, não são pessoas ruins, pois não pode ser mal aquilo está feito à imagem e semelhança de Deus. São pessoas que infelizmente não buscaram a Deus e encheram o coração com outras coisas, que só trazem destruição e morte.

Por isso, cuidemos, irmãos, do que estamos guardando em nossos corações! Para alcançarmos a salvação, para vivermos bem, para construirmos uma sociedade melhor, sem violência, como nos pede a Campanha da Fraternidade desse ano, precisamos começar por nós, pelo nosso coração. Precisamos nos converter!

O que temos feito diante de toda essa realidade? Quais têm sido as nossas atitudes no dia a dia, na família, no trabalho, na comunidade paroquial, com os amigos e etc.? Como tem sido a nossa vida cristã?

Que possamos viver bem essa Quaresma! Que consigamos ver com toda a sinceridade o que no nosso coração, na nossa vida, ainda não está de acordo com os ensinamentos do Senhor, e ouvindo as palavras da Virgem Maria: “fazei o que Ele vos disser” (cf. Jo 2, 5) possamos viver verdadeiramente um tempo de conversão.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Ter o coração em Deus

25/03/2018 00:00

Estamos vivendo, queridos irmãos e irmãs, a Quaresma. Nesse tempo, a Igreja, nossa mãe, nos convida a nos prepararmos para a celebração dos mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Para vivermos bem essa preparação, para verdadeiramente nos aproximarmos de Deus, não há outro caminho, a não ser o da conversão. Por isso, afirmamos que a Quaresma é o tempo, em que de modo particular, podemos dizer, com mais ênfase, somos chamados a viver esse processo de transformação do nosso coração.

Converter-se, de fato, é isso, transformar o coração. “Este povo somente me honra com os lábios; seu coração, porém, está longe de mim. Vão é o culto que me prestam, porque ensina preceitos que só vêm dos homens”, denuncia o profeta Isaías (cf. Is 29, 13). E o próprio Senhor nos ensina: “Ouvi e aprendei. Não é aquilo que entra pela boca que mancha o homem, mas aquilo que sai dele. Eis o que mancha o homem”. (cf. Mt 15, 11).

Por isso, queridos, precisamos avaliar bem o que de fato é importante para nós, pois “onde está o teu tesouro, lá também está teu coração” (cf. 6, 21). Aquilo que guardamos no coração é no fundo o que norteia a nossa vida, a nossa maneira de agir, nossos comportamentos e nossas palavras. Se amamos ao Senhor, se temos o nosso coração voltado para Deus, guardaremos sua Palavra e procuraremos agradá-Lo com a nossa vida.

Ter o coração em Deus nos faz experimentar aquilo que o Senhor tanto deseja para nós: que tenhamos vida e a tenhamos em abundância (cf. Jo 10, 10). Por isso, busquemos as coisas do Alto, tenhamos o coração em Deus! Isso é o que mais precisamos. 

Ao olharmos hoje para a nossa cidade, nos entristecemos ao vermos tanta maldade, tanta corrupção, tanta violência. E podemos nos perguntar: por que estamos assim? Por que há pessoas que fazem isso? São pessoas más? No fundo, não são pessoas ruins, pois não pode ser mal aquilo está feito à imagem e semelhança de Deus. São pessoas que infelizmente não buscaram a Deus e encheram o coração com outras coisas, que só trazem destruição e morte.

Por isso, cuidemos, irmãos, do que estamos guardando em nossos corações! Para alcançarmos a salvação, para vivermos bem, para construirmos uma sociedade melhor, sem violência, como nos pede a Campanha da Fraternidade desse ano, precisamos começar por nós, pelo nosso coração. Precisamos nos converter!

O que temos feito diante de toda essa realidade? Quais têm sido as nossas atitudes no dia a dia, na família, no trabalho, na comunidade paroquial, com os amigos e etc.? Como tem sido a nossa vida cristã?

Que possamos viver bem essa Quaresma! Que consigamos ver com toda a sinceridade o que no nosso coração, na nossa vida, ainda não está de acordo com os ensinamentos do Senhor, e ouvindo as palavras da Virgem Maria: “fazei o que Ele vos disser” (cf. Jo 2, 5) possamos viver verdadeiramente um tempo de conversão.

 

Autor

Padre Thiago de Carvalho Humelino

Sacerdote da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro