Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/11/2017

22 de Novembro de 2017

Igreja celebrará Dia Mundial dos Pobres

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Novembro de 2017

Igreja celebrará Dia Mundial dos Pobres

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

02/11/2017 13:59 - Atualizado em 02/11/2017 13:59
Por: Priscila Xavier

Igreja celebrará Dia Mundial dos Pobres 0

temp_titlePscoa_na_Cracolndia_2017_12_01052017151718

Às vésperas do encerramento do Ano Litúrgico, na Solenidade de Cristo Rei, a Igreja se prepara para celebrar a primeira edição do Dia Mundial dos Pobres, que acontecerá no dia 19 de novembro. Com o tema: “Não amemos com palavras, mas com obras” (1 Jo 3,18), os fiéis são convidados a refletir como a pobreza é a essência do Evangelho.

Porém, antes da data, a Arquidiocese do Rio de Janeiro preparou uma semana, com o objetivo de olhar para a própria realidade local, que terá início no dia 11 e irá até o dia 19 de novembro, quando será servido o café da manhã para a população em situação de rua na Catedral Metropolitana de São Sebastião, onde também será celebrada missa, presidida pelo Cardeal Orani João Tempesta, às 10h.

De acordo com o vigário episcopal para a Caridade Social, cônego Manuel Manangão, durante a semana que antecede o dia, quatro temas serão os focos principais do encontro: educação, saúde, habitação e trabalho/renda, os quais serão abordados durante o Fórum Social do Dia Mundial dos Pobres, no Edifício João Paulo II, na Glória, no dia 11. O evento contará com a presença de especialistas nas áreas.

Cônego Manangão explicou o motivo da escolha dos temas. “Pensamos nesses temas porque correspondem às situações mais básicas da realidade dessas pessoas. Sobre a educação, ouvimos uma série de reclamações e angústias das escolas, principalmente nos ensinos fundamental e médio públicos, que não recebem a devida atenção. Na saúde, há uma falência do sistema público que atende aos mais pobres e, devido ao desemprego, retoma sobre ele as questões daqueles que estão desempregados”, esclareceu.

E ainda apresentou considerações acerca das questões sobre habitação e trabalho/renda. “Vemos, de um lado, a ausência de moradias construídas, principalmente para a população de baixa renda, e, ao mesmo tempo, há um descaso do poder público, no que diz respeito a saneamento básico, água e luz, nas casas construídas, além de um crescimento contínuo desse processo. Quanto ao trabalho/renda, há dois polos de reflexão: a maneira construída a partir da religião, que é a economia de comunhão, e, também, a economia solidária. Eles estarão no foco, junto às questões de desemprego, o trabalho de fortalecimento de laços das cooperativas, além das mudanças na proposta da lei do trabalho escravo”, complementou.

‘Somos chamados a amar os pobres’

O Dia Mundial dos Pobres foi instituído pelo Papa Francisco na carta apostólica “Misericórdia e mísera”, como sinal concreto do Ano Santo da Misericórdia. Em junho deste ano, o Pontífice publicou uma mensagem dedicada à data.

De acordo com o Pontífice, o Dia Mundial dos Pobres é a mais digna preparação para que os fiéis possam bem celebrar Jesus Cristo, Rei do Universo. Além disso, ele ainda pontuou que a Igreja encerra o Ano Litúrgico recordando a sua identificação com os “pequenos e pobres”.

Na mensagem, Francisco destaca: “O amor não admite álibis: quem pretende amar como Jesus amou, deve assumir seu exemplo, sobretudo quando somos chamados a amar os pobres”.

O Papa continuou: “portanto, somos chamados a estender a mão aos mais pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. A Sua mão estendida para nós é, também, um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma”, afirmou.

Na mensagem, Francisco destacou o exemplo de São Francisco de Assis, o qual foi seguido por demais homens e mulheres, santos e santas, ao longo dos séculos, não se contentando em apenas abraçar ou dar esmolas aos leprosos, mas decidiu viver ao lado deles, com suas dores e sofrimentos.

O Pontífice encerrou a carta dizendo: “que este novo ‘dia mundial’ se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda. Os pobres não são um problema: são um recurso para acolher e viver a essência do Evangelho”, finalizou.

Programação

Dia 11 - Fórum Pastoral de Diálogo com a Sociedade: Educação, Saúde, Habitação, Trabalho/Renda. O encontro será realizado no Edifício João Paulo II, na Glória, das 8h às 17h.

Dia 12 - Acolhida dos pobres nas paróquias

Dia 13 - Encontro Ecumênico Arquidiocesano, no Edifício João Paulo II, na Glória.

Dia 14 - Ações sociais em âmbito paroquial com a participação do clero

Dia 15 - Ações sociais em âmbito vicarial

Dia 16 - Adoração ao Santíssimo Sacramento em todas as paróquias

Dia 17 - Oração, jejum e ofertas de alimentos em todas as paróquias

Dia 18 - Missa “O Rio Celebra”, na cracolândia do Jacarezinho, às 9h.

Dia 19 - Celebração do Dia Mundial dos Pobres com distribuição de café da manhã para a população em situação de rua, na Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Centro. No local, também será celebrada missa, com a presença de agentes das pastorais sociais, presidida por Dom Orani, às 10h.

Foto: Gustavo de Oliveira

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.