Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/12/2017

12 de Dezembro de 2017

Seminário abre Ano do Laicato na Arquidiocese do Rio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Dezembro de 2017

Seminário abre Ano do Laicato na Arquidiocese do Rio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

01/12/2017 13:21 - Atualizado em 01/12/2017 13:21
Por: Priscila Xavier

Seminário abre Ano do Laicato na Arquidiocese do Rio 0

A Igreja no Brasil celebra, no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, a 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”, que tem como tema: “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino”, e como lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”.

Às vésperas da abertura, no dia 25 de novembro, a Arquidiocese do Rio de Janeiro promoveu o seminário “Leigos e leigas vocacionados à santidade”, realizado no Edifício João Paulo II, na Glória.

O encontro foi aberto pela coordenadora arquidiocesana do Conselho de Leigos, Ana Maria de Sá. Em seguida, foram aprofundadas as constituições dogmáticas “Apostolicam Actuositatem”, “Lumen Gentium” e “Gaudium et spes”, as quais apontam o posicionamento da Igreja sobre os leigos, a partir do Concílio Vaticano II.

O primeiro documento foi explicado pela coordenadora arquidiocesana da Campanha da Fraternidade, Carmem Swire. Segundo ela, “esse decreto trata do ministério do leigo na Igreja, abordando a vocação dos leigos ao apostolado, mostrando que quem os chama não é o padre ou o bispo, mas sim o próprio Deus. Como cristãos batizados, todos nós somos parte do corpo místico de Cristo. Se uma parte do corpo não tem função, ela se atrofia. O decreto mostra a necessidade de colocarmos os talentos recebidos a serviço da comunidade”, enfatizou. 

O segundo e o terceiro documentos foram apresentados, respectivamente, pelos assistentes do Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar, o casal Ronaldo Mello e Tatiana. “O documento ‘Gaudium et spes’ nos propicia uma visão geral e integrada da importância da nossa participação, enquanto leigos, da vida comunitária e política, cujo fundamento e finalidade é o ser humano. Todos devemos participar da construção do bem comum e das responsabilidades a ela ligadas”, completou Ronaldo.

Durante a tarde, o coordenador arquidiocesano dos Círculos Bíblicos, José Geraldo dos Reis Virgínio, explicou a exortação apostólica pós-sinodal “Christifideles laici”, de São João Paulo II, a qual trata sobre a vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo. Além disso, Milton Mano – membro da organização social católica Obra Kolping, expôs o Documento 105, da CNBB, o qual aborda a participação dos leigos e leigas na Igreja e na sociedade.

Presença de Cristo na sociedade

O encontro foi acompanhado pelo Cardeal Orani João Tempesta e pelo bispo auxiliar e colaborador da Comissão Regional Pastoral para o Laicato, Dom Juarez Delorto Secco.

De acordo com Dom Orani, “a grande missão e trabalho do cristão leigo são no mundo e na sociedade, como presença transformadora. Mesmo com seus trabalhos pastorais, suas áreas de missão na Igreja e nos movimentos, os leigos devem ter essa preocupação com o mundo, o que é um desafio. É significativo que iniciemos essa data no Dia de Cristo Rei, que manifesta a ação do leigo no anúncio do Reino”, afirmou.

O cardeal ainda destacou a necessidade da ação dos leigos nas questões presentes na sociedade. “Ultimamente, temos visto muitos leigos e leigas conscientes e presentes na Igreja, mas ainda ausentes nas questões que envolvem a sociedade. Podemos, justamente, no meio do povo sermos sinal de Cristo e de um mundo novo. Essa presença na comunidade, tanto nas escolas, nos sindicatos e em todas as situações de trabalho, pode evitar que essas questões se contaminem com o mal e, ao mesmo tempo, contribui para a transformação da sociedade”, salientou.    

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.