Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 16º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/10/2018

23 de Outubro de 2018

Mensagem do Papa ao Fórum Econômico Mundial

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Outubro de 2018

Mensagem do Papa ao Fórum Econômico Mundial

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/01/2018 09:22 - Atualizado em 23/01/2018 09:30
Por: Rádio Vaticano

Mensagem do Papa ao Fórum Econômico Mundial 0

As inovações tecnológicas devem ser utilizadas “para a proteção da nossa casa comum”. Em especial, a inteligência artificial e a robótica devem estar a serviço da humanidade, e não ser uma ameaça “como algumas avaliações infelizmente preveem”. Este é o apelo lançado pelo Papa Francisco na carta enviada ao Fórum Econômico Mundial, que se realiza em Davos de 23 a 26 de janeiro.

O texto foi lido pelo prefeito do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, card. Peter Kodwo Appiah Turkson. A mensagem é endereçada ao presidente-executivo do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, que este ano acolhe um número recorde de líderes políticos, inclusive o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Sociedade inclusiva

Na mensagem, o Pontífice exorta: o homem deve estar no centro da economia. Para isso, é preciso criar “uma sociedade inclusiva, justa e que seja de apoio”.

Francisco cita as recorrentes crises financeiras, que causaram novos desafios e problemáticas para os governos, “como o crescimento do desemprego, de novas formas de pobreza e o aumento do abismo socioeconômico e novas formas de escravidão”, muitas vezes relacionadas a conflitos e migrações.

Neste contexto, “é fundamental salvaguardar a dignidade da pessoa humana”, sobretudo “oferecendo a todos reais oportunidades para um desenvolvimento humano integral, através de políticas econômicas que favoreçam a família”.

Nova direção ao destino do mundo

O Papa exorta: os modelos econômicos são chamados a “observar uma ética de desenvolvimento sustentável e integral, baseada em valores que colocam no centro a pessoa humana e os seus direitos”. 

Somente deste modo “podemos dar uma nova direção ao destino do mundo”. 

E assim também “a inteligência artificial, a robótica e outras inovações tecnológicas devem ser utilizadas para contribuir a serviço da humanidade e para a proteção da nossa casa comum e não o contrário, como infelizmente preveem algumas avaliações”. 

Francisco destaca ainda que “não podemos permanecer silenciosos diante do sofrimento de milhões de pessoas cuja dignidade está ferida”. É uma “responsabilidade que diz respeito a todos, criar as justas condições para viver com dignidade”.  

Fim da "cultura descartável"

O Pontífice reforça a exortação para rejeitar uma “cultura descartável”. Além disso, convida os empresários a criarem emprego, “aumentando a qualidade da produtividade, respeitando as leis do trabalho e lutando contra a corrupção e promovendo a justiça social”. Trata-se de uma “importante responsabilidade a ser exercitada com discernimento, porque será decisiva para dar forma ao mundo de amanhã e ao das gerações futuras”. 

O Papa faz votos de que sejam superadas as divisões entre Estados e instituições e que colaborem entre si para ter uma política mais inclusiva num mundo sempre mais globalizado.

“Se quisermos um futuro mais seguro, que encoraje a prosperidade de todos, então é necessário manter o compasso sempre orientado para os valores autênticos”, conclui o Santo Padre. 

Ouça a reportagem na íntegra:
 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.