Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/05/2018

25 de Maio de 2018

Seminaristas peregrinam pela região Sudeste

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Maio de 2018

Seminaristas peregrinam pela região Sudeste

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/02/2018 14:23 - Atualizado em 08/02/2018 14:23
Por: Nathalia Cardoso / Symone Matias

Seminaristas peregrinam pela região Sudeste 0

Dez seminaristas do Seminário Arquidiocesano de São José peregrinaram a pé, de 4 a 12 de janeiro, pela região Sudeste. Brehnno Galgane, Caio Dias, Eduardo Carvalho, Felipe Motta, Kadun Dornelles, Leandro Rêgo, Marlon Medeiros, Matheus Muniz, Telmo Bosco e Vitor Mattos passaram, entre outros lugares, pelo Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP).

A missa de envio foi celebrada no seminário, dia 4, pelo reitor, cônego Leandro Câmara. Os seminaristas, após a celebração, caminharam até a Praça da Bandeira rezando as mil Ave-Marias, consagrando a peregrinação ao Imaculado Coração de Maria.

“Consagramos as intenções que cada um trazia e as intenções daqueles que pediram nossas orações através das redes sociais. Pegamos um trem para Nova Iguaçu, e tivemos como primeira parada a Catedral de Santo Antônio, onde encontramos o Santíssimo exposto. E, assim, tivemos a graça de, todos os dias, encontrá-Lo nos locais por onde passamos”, afirmou o seminarista Mateus Muniz.

Trajeto

A primeira parada foi na Catedral de Santo Antônio, no centro de Nova Iguaçu. Depois, os seminaristas seguiram para o bairro de Austin, também em Nova Iguaçu, de onde pegaram carona até a segunda parada: Resende.

“Lá, ficamos hospedados na casa de uma família conhecida. Agradecemos à nossa família que nos acolheu”, pontuou Matheus.

No dia 5, foram para Aparecida. Para chegar lá, passaram por Itatiaia, no interior do Rio, onde pegaram carona até a Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP). Lá, participaram da missa, presidida pelo padre Paulo Ricardo, no Acampamento Revolução Jesus. Ao saírem de lá, pediram carona e foram até Guaratinguetá.

“Providencialmente, uma senhora pagou a nossa passagem de ônibus até Aparecida, sem mesmo nos conhecer. Por nos ver trajar o hábito, sabia que éramos servos do Senhor. Fez por Ele e não por nós”, pontuou o jovem.

Em Aparecida, ficaram hospedados na casa da Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus.

“Em cada local por onde passávamos, enxergávamos a mão de Deus em nossas vidas. Com cada pessoa com quem nós encontrávamos, tínhamos uma experiência com o próprio Cristo”, contou Felipe.

Em São Paulo, visitaram também o Mosteiro Belém, da Obra dos Santos Anjos, em Guaratinguetá, onde participaram de um momento de adoração ao Santíssimo Sacramento. “É um lugar de profunda oração e de profundo amor a Jesus e a Sua Mãe Santíssima”, afirmou Matheus.

Em seguida, os estudantes retornaram ao acampamento na Canção Nova e de lá seguiram de carona para a cidade de São Lourenço, em Minas Gerais. O objetivo era chegar ao Santuário da Beata Nhá Chica, em Baependi (MG). Para isso, passaram por Carmo de Minas. No santuário, rezaram no túmulo da beata, pedindo pelas intenções iniciais.

“Mal começamos a caminhar, uma chuva forte começou a cair. Já estava quase de noite, e fomos pelo caminho rezando o Santo Rosário, a Via-Sacra e partilhando. Estávamos sem sinal de celular e o caminho parecia duplamente mais longo, por causa da serra que começamos a subir. Mas nem isso era motivo para reclamação. Sentíamos fortemente a providência de Deus ao nosso lado”, contou Matheus.

Eles passaram ainda pela matriz de Carmo de Minas e pela Basílica de São Lourenço.

Em Baependi, ficaram na casa da Congregação das Irmãs Franciscanas do Senhor. Participaram da missa do Batismo do Senhor, na Paróquia Santa Maria, presidida pelo cônego José Douglas.

Três Pontas

O local mais distante por onde os seminaristas passaram foi a cidade de Três Pontas (MG), terra natal do Beato Padre Vitor. Para chegar até lá, seguiram por Caxambu e passaram por Varginha, onde pediram carona.

“Dentre tantos momentos ímpares, destacaria a experiência que tivemos no Carmelo São José, em Três Pontas. Logo quando entrei naquele lugar, percebi que era um ambiente de oração. Tivemos um momento de tertúlia – palestra literária – com as irmãs do Carmelo, no qual, com muita alegria, tive a oportunidade de ganhar como madrinha a irmã Maria da Trindade, que estará sempre em minhas singelas orações”, contou o seminarista Brehnno.

Além do Carmelo, os jovens visitaram também o túmulo do Beato Padre Vitor, pedindo pela santificação do clero e dos futuros sacerdotes. Passaram alguns dias na comunidade da Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, que tem o padre Ednaldo Barbosa como pároco.

A Diocese de Campanha, em Minas, onde se encontra o túmulo do servo de Deus Dom Othon Motta, também foi um dos locais por onde eles passaram.

“Dom Pedro Cunha, o bispo, que já foi bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio, nos abriu as portas da diocese, e pediu ao clero que nos recebesse com toda hospitalidade”, contou Matheus.

Para Telmo, a peregrinação foi um momento de profundo crescimento espiritual e humano.

“Ao mesmo tempo em que em nossas caminhadas rezávamos as mil Ave-Marias, encontrávamos muitas almas sedentas de Deus a nos edificar e prontas para nos ouvir, para beber daquilo que tínhamos a dar. Não faltaram sorrisos e brincadeiras: a fraternidade permeou e impulsionou nossos passos. Assim começou meu ano formativo com novo e santo ardor”, afirmou.

Eles voltaram para o Rio de Janeiro na noite do dia 11 de janeiro e chegaram na madrugada do dia seguinte.

“Foi, sobretudo, uma profunda experiência da presença de Deus e de conversão, tanto pela vida de oração e a companhia dos irmãos seminaristas, quanto por cada pessoa que encontramos e que nos ajudaram”, disse Felipe.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.