Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2018

20 de Novembro de 2018

Karen Keldani lançará CD para o público infantil

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2018

Karen Keldani lançará CD para o público infantil

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/05/2018 11:32 - Atualizado em 18/05/2018 11:32
Por: Priscila Xavier / Symone Matias

Karen Keldani lançará CD para o público infantil 0

Com o intuito de evangelizar os pequeninos, a cantora Karen Keldani lançará o novo CD “O Girassol”, com a participação de crianças que têm até 12 anos, as quais vão cantar, dançar e encenar no palco do Colégio Notre Dame, em Ipanema, no dia 26 de maio, às 18h.

A apresentação, que será transmitida pela RedeVida de Televisão, também contará com a participação de Fábio Keldani – irmão de Karen, Elba Ramalho e da pequena Fernanda Nuti, de 11 anos, tendo a direção de Luis Fernando Bruno e a direção de ballet feita pela diretora do Theatro Municipal, Bárbara Lima. A entrada será um quilo de alimento não perecível. Todas as doações serão destinadas às obras filantrópicas das Irmãs de Notre Dame.

O CD é composto por 12 faixas inéditas, todas elas deixadas pelo compositor católico Waldeci Farias, que escreveu canções como “Vem e eu mostrarei” e “Quando teu Pai revelou o segredo à Maria”. “Ele era muito amigo de meus pais, eu o chamava de tio e fiz parte do coral, regido por ele, no Colégio Notre Dame, onde eu estudava. Percebendo meu dom, me colocou como solista do coro”, contou Karen.

Segundo ela, Waldecir Farias não restringia as canções do coral somente ao âmbito religioso. “Cantávamos de tudo, e isso também fez parte de minha formação artística: sempre foi uma sinergia entre o católico e o popular”, destacou.

A decisão de realizar um trabalho voltado para o público infantil veio a partir de um questionamento da cantora quanto à evangelização do filho, Pedro. “Comecei a me perguntar: de que maneira ensinaria meu filho a sentir o amor por Deus? Foi então que decidi levar a ele elementos da catequese – uma vez que já fui catequista na Paróquia Ressurreição, em Ipanema –, e percebi que quase não existem composições voltadas para o público infantil. Veio em meu coração toda obra que o Waldecir nos deixou. Antes dele morrer, ele entregou todas as partituras para a minha mãe”, disse.

Mas o passo para a gravação do segundo CD de sua carreira, sendo o primeiro destinado ao público infantil, foi dado quando Pedro iniciou os estudos no Colégio Notre Dame. “Eu tinha certeza de que todas as crianças cantavam as obras do Waldecir, o que não aconteceu. Tudo já havia sido esquecido. Dessa forma, decidi gravar o CD, e fiz questão da presença das crianças, para que elas também tenham a oportunidade de vivenciar o que vivi em minha infância”, sublinhou Karen, que ainda salientou a necessidade de compositores que criem obras voltadas para a evangelização dos pequeninos.

Porém, Karen tem projetos ainda maiores para esse trabalho. “Desejo que esse projeto se torne uma animação, levando o conceito ‘catequese, criança e evangelizar é preciso’. Eu fui evangelizada através da música. Quando eu rezo, sem perceber, me vejo a cantar”, afirmou.

Carreira artística

A vida artística de Karen Keldani Rafael teve início aos sete anos, no Colégio Notre Dame, no coral regido pelo compositor Waldecir Farias. Além de cantora, ela também é atriz – chegou a participar de novelas, musicais e ficou durante sete anos em cartaz, como Clara, no espetáculo “Francisco de Assis”, que foi encenado em Assis, na Itália, e fez 12 anos de balé clássico. “Ainda assim, eu atuava em minha paróquia como catequista e, por muito tempo, trabalhei com a arte na catequese: fazíamos peças teatrais sobre a vida dos santos”, contou.

Foi durante uma dessas encenações, em 2009, que Karen recebeu um convite inesperado: “um empresário me convidou para gravar um CD de bossa nova. A partir dessa experiência, resgatei meu sonho de infância de ser cantora, pois, até então, eu era uma ‘cantriz’. Quando subi ao palco somente como cantora, sabia que algo em mim havia mudado. Eu já não queria mais falar através de um personagem, mas sim, da Karen. E o que havia de mais presente em mim era a religiosidade”, recordou.

A partir dessa experiência, surgiu o primeiro CD: “Minha fé”. “Foi algo totalmente despretensioso; somente queria propagar a minha fé e, por isso, o nome do CD. Para ele, escolhi canções que marcaram a trilha sonora de minha vida, além de mais três músicas seculares, mostrando que não existe uma pessoa dentro da Igreja e outra fora dela. Aonde quer que eu vá, serei cantora e serei católica, porque eu posso cantar tudo aquilo que me convém”, afirmou.

O lançamento aconteceu, em 2013, no período da Jornada Mundial da Juventude, no Rio, no mesmo palco do Colégio Notre Dame – que, na época, celebrava 80 anos de fundação.

Além de ser indicada para o Troféu Louvemos, ela também foi convidada para cantar durante a JMJ para o Papa Francisco – essa seria a segunda vez que Karen cantaria para um Pontífice, haja vista que ela ensaiou as crianças que cantaram na Missa Campal, no Aterro do Flamengo, e na Missa da Família, no Maracanãzinho, na vinda do Papa João Paulo II ao Rio, em 1997.

Vida em família

Foi na JMJ que Karen pensou em seguir a carreira enquanto cantora. Mas, logo em seguida, ela se casou e engravidou. “Durante a gestação, eu parei de cantar. Nesse período, pensava muito em Nossa Senhora. Com três semanas de gestação, eu disse ao meu pároco que sempre quis ser mãe de uma menina, mas que eu estava grávida de um menino. Isso porque eu sempre via a imagem de Nossa Senhora com o Menino Jesus nos braços”, revelou.

Ainda nesse período, Karen vivenciou um de seus maiores sustos: a doença da avó Edith Keldani.  “Eu vivi, na minha perspectiva humana, aquilo que Nossa Senhora viveu, porque eu servia a minha avó, assim como Maria, grávida, serviu a prima Isabel. Mesmo com a barriga enorme, eu permanecia no CTI, junto com minha avó. Não consegui deixar de cuidar dela, aquela era a minha missão. Minha avó resistiu, e hoje ela é um milagre”, finalizou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.