Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/11/2018

21 de Novembro de 2018

‘O Evangelho da Família: alegria para o mundo’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Novembro de 2018

‘O Evangelho da Família: alegria para o mundo’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

17/08/2018 11:48 - Atualizado em 17/08/2018 11:53
Por: Priscila Xavier

‘O Evangelho da Família: alegria para o mundo’ 0

A Semana Nacional da Família chegou ao fim em 19 de agosto, mas a Igreja entra em contagem regressiva para se unir ao Papa Francisco durante a 9ª edição do Encontro Mundial das Famílias, a ser realizada de 21 a 26 de agosto, em Dublin, na Irlanda.

Com o tema: “O Evangelho da Família: alegria para o mundo”, 116 famílias dos mais diversos lugares do planeta – incluindo casais da Arquidiocese do Rio de Janeiro – e mais de seis mil menores de 18 anos (o maior número da história dos encontros), já estão inscritas. Ao todo, mais de 35 mil pessoas participarão dos três dias de congresso, que contará com 200 palestrantes – a maioria mulheres leigas – e sete mil voluntários.

Alvo de muitas polêmicas e ideologias, a família, considerada pelo Pontífice “a célula fundamental da sociedade”, tem sido cada vez mais atingida. Diante das reconfigurações sociais, a Igreja busca mecanismos para reavivar os métodos pastorais, impedindo que a beleza do matrimônio seja ofuscada.

O prefeito para o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, Dom Kevin Joseph Farrell, em entrevista ao site Vatican News, afirmou que o encontro tem como principal objetivo o desenvolvimento da Pastoral Familiar. “Vivemos em um contexto de individualismo extremo, em que os esquemas e os métodos pastorais do passado parecem não ser mais funcionais diante das profundas mudanças sociais. Nesta situação, radicalmente nova e muitas vezes perturbadora, sentimos, porém, o dever de preparar e acompanhar os casais para o matrimônio de modo mais comprometedor e constante, como um verdadeiro ‘catecumenato’, segundo a expressão do Papa Francisco”, relatou.

Para isso, de acordo com Dom Kevin Joseph Farrell, os participantes terão como base a Encíclica “Amoris Laetitia”. “Através de um itinerário racional e consequente, o congresso tratará dos nove capítulos da “Amoris Laetitia”, oferecendo uma panorâmica doutrinal, pastoral e experiencial de toda a exortação. O traço comum dos três dias é a formação ao matrimônio, importante não só para evitar conflitos e problemáticas, mas também porque a mesma vocação ao sacramento do matrimônio precisa ser preparada, acompanhada, seguida e cuidada no tempo”, declarou.

Família: ‘testemunha da misericórdia’

Na mensagem enviada pelo Papa Francisco, em 2017, por ocasião do encontro neste ano, o Pontífice questionou: “O Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E mais ainda: a família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje? Estou convicto que sim. O amor de Deus é o seu ‘sim’ à criação inteira. Trata-se do ‘sim’ de Deus à união entre o homem e a mulher, em abertura e ao serviço da vida em todas as suas fases. É o ‘sim’ e o compromisso de Deus a favor de uma Humanidade muitas vezes ferida, maltratada e dominada pela falta de amor. Por conseguinte, a família é o ‘sim’ do Deus Amor. Somente a partir do amor a família pode manifestar, propagar e regenerar o amor de Deus no mundo. Sem o amor não podemos viver como filhos de Deus, nem como cônjuges, pais e irmãos”, esclareceu.

Na carta, o Papa ainda evidenciou “como é importante que as famílias se interroguem, frequentemente, se vivem a partir do amor, para o amor e no amor. Concretamente, isto significa doarem-se, perdoarem-se, não perderem a paciência, anteciparem o outro, respeitarem-se. Como seria melhor a vida familiar se cada dia vivêssemos as três simples palavras: com licença, obrigado e desculpa. Sabemos que as famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia. Depois do Jubileu Extraordinário, elas serão ainda mais, e o Encontro de Dublin poderá oferecer sinais concretos disto”, enfatizou.

Encontros Mundias

O Encontro Mundial das Famílias aconteceram em Roma (1994), no Rio, no Brasil (1997), Roma (2000), por ocasião do Grande Jubileu do Nascimento de Cristo; em Manila, nas Filipinas (2003); em Valência, na Espanha (2006); na Cidade do México, no México (2009); em Milão, na Itália (2012); e, na Filadélfia, nos Estados Unidos (2015).

Encontro Mundial das Famílias no Rio

Um sonho que teve início no coração de São João Paulo II, o Encontro Mundial das Famílias aconteceu, pela primeira vez, em 1994, em Roma, na Itália. Desde então, o evento é realizado a cada três anos e, neste ano, chegou à nona edição.

Para o segundo encontro, o local escolhido foi a cidade do Rio de Janeiro, em 1997, com o tema: “A família: dom e compromisso, esperança da Humanidade”.

No Maracanã, o Papa São João Paulo II destacou o egoísmo irresponsável e a mensagem enganosa de felicidade como vidas que corroem a família e a sociedade. “A família é patrimônio da Humanidade. Nas famílias cristãs, fundadas no Sacramento do Matrimônio, a fé nos vislumbra maravilhosamente o rosto de Cristo, esplendor da verdade, que enche de luz e de alegria os lares que inspiram a sua vida no Evangelho. Hoje, infelizmente, vai-se difundindo pelo mundo uma mensagem enganosa de felicidade impossível e inconsistente, que só arrasta consigo desolação e amargura. A felicidade não se consegue pela via da liberdade sem a verdade, porque esta é a via do egoísmo irresponsável, que divide e corrói a família e a sociedade”, frisou.

Na missa de encerramento, no dia 5 de outubro, realizada no Aterro do Flamengo, o Pontífice lembrou: “Através da família, toda a existência humana é orientada para o futuro. Nela, o homem vem ao mundo, cresce e amadurece. Nela, ele se torna um cidadão sempre mais maduro do seu país, e um membro da Igreja sempre mais consciente. A família é também o primeiro e fundamental ambiente, no qual cada homem distingue e realiza a própria vocação humana e cristã. A família, enfim, é uma comunidade insubstituível por qualquer outra”.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.