Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/11/2018

21 de Novembro de 2018

Academia Fé e Razão realizará encontro sobre cuidados paliativos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Novembro de 2018

Academia Fé e Razão realizará encontro sobre cuidados paliativos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/10/2018 10:47 - Atualizado em 22/10/2018 16:30
Por: Redação

Academia Fé e Razão realizará encontro sobre cuidados paliativos 0

Em maio de 2019, a Arquidiocese do Rio de Janeiro será sede do Congresso Latino- Americano sobre Cuidados Paliativos. Dessa forma, visando os preparativos e a reflexão do encontro, a Academia Fé e Razão realizará uma reunião, que será aberta ao público, acerca da temática no Edifício João Paulo II, na Glória, no dia 15 de novembro, das 18h às 21h.

Na ocasião, serão ministradas três apresentações sobre “Cuidados paliativos: uma questão de direitos humanos, saúde e cidadania”, conduzida pelo doutor em ciências da saúde Ernani Costa Mendes; “Autonomia e direitos dos pacientes em cuidados paliativos”, que será discorrida pela advogada e mestre em saúde pública Danielle Barata, e a terceira sobre “Testamento Vital”, apresentada pela desembargadora Maria Aglaé Tedesco Vilardo.

Esse será o segundo encontro desde que a cidade carioca fora nomeada, em junho deste ano, pela Pontifícia Academia para a Vida, no Vaticano. A escolha foi comunicada ao Cardeal Orani João Tempesta pelo presidente da academia, Dom Vicenzo Paglia.

Presidente da academia, padre Aníbal Gil Lopes, destacou que ainda há pouca compreensão acerca dos cuidados paliativos. “Nem todo mundo conhece, mas esses cuidados estão centralizados na garantia e na tentativa de dar uma melhor qualidade de vida às pessoas que se encontram na fase terminal de uma doença incurável, para que possam viver os últimos anos de uma maneira confortável, evitando a dor e os desconfortos”, explicou.

Ainda segundo o sacerdote, o cuidado paliativo precisa ser estendido a todos, independentemente da classe econômica. “Essa é uma alternativa extraordinária que devemos implantar em nosso país, dando acesso a todas as pessoas, de qualquer situação econômica-social. Muitas pessoas morrem nos hospitais em situações desumanas. Esse não é o nosso desejo. Iniciamos essa caminhada; haverá ainda outros eventos, os quais culminarão no congresso em nossa arquidiocese”, completou.

Cuidados paliativos no mundo
Entre os dias 28 de fevereiro e primeiro de março, a Pontifícia Academia para a Vida organizou, em Roma, o congresso internacional intitulado “Tratamentos paliativos: em todos os lugares e para todos. Tratamentos paliativos em todas as regiões, para todas as religiões e crenças”. Na ocasião, foi apresentado o projeto PAL-Life, que visa a difusão global de terapias paliativas.

Em mensagem aos participantes do congresso, o Papa Francisco afirmou que “quando todos os recursos do ‘fazer’ parecem se acabar, emerge o aspecto mais importante nas relações humanas, que é o ‘ser’: ser próximos e acolhedores, compartilhando também a sensação de impotência de quem chega ao ponto extremo da vida".

A mensagem sublinhou ainda as dimensões do acompanhamento espiritual, da oração e da família neste percurso. “Nas fases finais da vida, a rede familiar, por mais frágil e desagregada, constitui sempre um elemento fundamental”.

O Papa ressaltou outro tema atual: a terapia da dor, ou seja, a legitimidade de administrar analgésicos para aliviar sofrimentos diante da morte iminente, mesmo que possam encurtar a vida do paciente.

O emprego destes procedimentos – advertiu o Papa – requer sempre um atento discernimento e muita prudência, pois a sedação profunda anula a dimensão comunicativa, o que é crucial no acompanhamento das terapias paliativas. Portanto – recomenda – deve ser usada em casos extremos.

Enfim, Francisco ressaltou que a complexidade e a delicadeza dos temas impõem uma reflexão profunda e, neste sentido, elogiou a participação de representantes de diferentes religiões e culturas no congresso, em um esforço comum de aprendizagem e engajamento.

Da Redação
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.