Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 16º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 31/10/2020

31 de Outubro de 2020

Semana Missionária 2020: 'Eis-me aqui, envia-me'

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

31 de Outubro de 2020

Semana Missionária 2020: 'Eis-me aqui, envia-me'

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

28/09/2020 23:57
Por: Redação

Semana Missionária 2020: 'Eis-me aqui, envia-me' 0

Mesmo em tempos de pandemia, o anúncio da Boa Nova precisa continuar. Rompendo fronteiras físicas, a Comissão Missionária Diocesana (Comidi), da Arquidiocese do Rio, preparou uma Semana Missionária completamente virtual, que acontecerá entre os dias 28 de setembro e 3 de outubro, sempre às 20h, pelo Facebook e YouTube da Paróquia Santa Edwiges e São Pedro, em Sepetiba.

A formação, que terá como lema: “A vida é missão”, tendo como iluminação a frase bíblica “Eis-me aqui, envia-me” (Is 6,8), contará com a participação do bispo auxiliar do Rio de Janeiro Dom Juarez Delorto Secco, o qual refletirá acerca da Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões 2020. Nos demais dias, a formação será feita por lideranças missionárias de várias partes do país.

De acordo com o coordenador arquidiocesano da Comissão Missionária Diocesana, padre Licinho Cohen Couto, a Semana Missionária terá um novo formato, com o intuito de agregar ainda mais pessoas. 

“Teremos pessoas de todo o Brasil participando. Então, será uma grande alegria podermos compartilhar experiências, reflexões, tirar dúvidas. Será uma semana muito rica de aprendizados, e gostaríamos que o maior número possível de pessoas pudesse participar e mergulhar nesse maravilhoso horizonte da missão, uma vez que a missionariedade é um chamado de todo cristão batizado”, afirmou.

Segundo ele, ainda que o mundo viva uma pandemia, a missão deve continuar, buscando novas maneiras para fazer com que o anúncio da Boa Nova chegue a todos.

“Que mesmo durante esse tempo de pandemia, possamos continuar evangelizando, rompendo horizontes, saindo de nossa realidade para ter uma visão maior de Igreja. A missão continua, ela não pode parar. O desafio é grande e, agora, com novas maneiras para evangelizar. Mesmo numa quarentena, a pandemia tem nos dado a oportunidade de ampliar os horizontes, o que seria difícil presencialmente, tal como a vinda de palestrantes de outros estados”, comentou.

Para padre Licinho, esse será um legado para a pós pandemia. “Creio que esse será um legado deixado neste período de desafio. Assim, devemos continuar o trabalho missionário também de maneira virtual, uma vez que temos de aproveitar todas as oportunidades e os meios disponíveis para lançar as sementes nos corações. É um desafio, o qual também vejo como provocação. Não devemos apenas nos lamentar, mas buscar novas soluções”, frisou.

O coordenador arquidiocesano ainda destacou que “estávamos com tudo organizado, mas com a pandemia, pensamos em como poderíamos continuar a missão. O Comidi tem se reunido pelas redes sociais, de tal maneira que continuamos a formação. Assim, vimos que a oportunidade da Semana Missionária é única, e devíamos abraçá-la também. Percebemos, ainda, que as paróquias têm nos procurado com o intuito de substituir a utilização dos livretos. Vimos como cada paróquia teve de se readequar para continuar celebrando a missa. Vimos a importância da Pascom neste momento, a partir da qual as pessoas tiveram acesso às celebrações e às formações”, pontuou. 

Sobre a mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões, a qual será um assunto central na formação, o objetivo é “aprofundar isso entre nós, missionários, mas também fazer com que o documento auxilie as paróquias no trabalho de evangelização e que os leigos possam descobrir o seu espaço enquanto evangelizadores nos meios sociais, antes um instrumento de lazer e trabalho, mas que agora também se descobriu, com muita força, o papel missionário dessas redes sociais”, destacou.

Padre Licinho ainda acrescentou que “esse estudo nos dará maior clareza acerca da dimensão da relação e do cuidado de nos mantermos unidos como Igreja. Na nossa sociedade atual, cada um só se preocupa consigo mesmo e com a própria paróquia. Com essa nova realidade, vimos que os desafios são os mesmos. Ampliando os horizontes, isso nos ajuda a refletir. Não podemos nos acomodar. O Evangelho sempre procura se atualizar, buscando novas maneiras para o anúncio. É preciso ter sensibilidade com a realidade em que se vive, uma vez que os missionários devem estar constantemente ouvindo os apelos do Senhor para, assim, encontrar novas formas de evangelização”, complementou.

Padre Licinho também salientou a solidão das novas tecnologias durante esse período de isolamento social. “Percebemos nesse período uma contradição: ao mesmo tempo em que as pessoas estão sozinhas, em suas casas, também estão mais conectadas, sentindo a importância do outro na vida. Creio que, missionariamente, também será importante para a dinâmica do cuidado. Ser missionário é cuidar, não apenas anunciar, mas como a própria Campanha da Fraternidade nos diz: ‘Viu, sentiu compaixão e cuidou dele’ (Lc 10, 33 – 34). Isso significa que temos de criar uma dinâmica de relacionamento com as pessoas”, finalizou.
A Semana Missionária poderá ser acompanhada pelo www.facebook.com/paroquiasantaedwigesesaopedro e pelo www.youtube.com/paroquiasantaedwigesesaopedro.

Carlos Moioli



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.