Arquidiocese do Rio de Janeiro

22º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 03/08/2021

03 de Agosto de 2021

Monsenhor Camilo celebra 60 anos de sacerdócio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

03 de Agosto de 2021

Monsenhor Camilo celebra 60 anos de sacerdócio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/07/2021 15:16
Por: Redação

Monsenhor Camilo celebra 60 anos de sacerdócio 0

Os fiéis da Paróquia Santo Antônio, em Água Santa, se preparam para celebrar o jubileu de 60 anos de sacerdócio de seu pároco, monsenhor Camilo de Albuquerque Silva, ordenado no dia 15 de julho de 1961, em Cruzeiro do Sul, no Acre.

De forma presencial, estão programadas Via-Sacra Sacerdotal, no dia 13 de julho, às 19h, Adoração Eucarística, no dia 14 de julho, às 19h30, e missa em ação de graças, no dia 15 de julho, às 19h, presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta. 

Família

O menino Camilo nasceu no dia 27 de março de 1933, na cidade de São Felipe, atual Eirunepé, no Estado do Amazonas, o sexto dos nove filhos do casal José Camilo da Silva e Virgínia de Albuquerque Silva. O pai, viúvo, trazia seis filhos do primeiro casamento, totalizando 15 irmãos. Foi batizado no aniversário natalício de seu pai, dia 22 de dezembro, e recebeu o mesmo nome.

De família católica praticante, ele seguiu o exemplo de seus irmãos mais velhos, ajudando na loja do pai, que era comerciante.

Estudos

Na paróquia local, Camilo foi coroinha da Cruzada Eucarística até 14 anos de idade, quando aceitou o convite para estudar no Seminário de Tefé, no Amazonas. Viajou em companhia de sua irmã, Virgínia, que foi estudar no colégio das freiras.

Três anos depois, em 1950, com 17 anos, convidado pelo bispo de Cruzeiro do Sul, no Acre, e incentivado pela mãe, acompanhou os colegas da sua diocese de origem, que saíam de Tefé, para estudar no Seminário Arquidiocesano de São José, no Rio de Janeiro. Completou os estudos no seminário menor, depois fez filosofia (1954 a 1956) e teologia (1958 a 1961), recebendo as ordens menores, o subdiaconato e o diaconato com sua turma.

Início de ministério

Por desejo da família e do bispo diocesano, foi ordenado sacerdote em Eirunepé (AM), sua cidade natal, por Dom José Hascher, CSSP, no dia 15 de julho de 1961, ficando incardinado na Diocese de Cruzeiro do Sul (AC).

Após a ordenação, foi professor na Escola São José, em Cruzeiro do Sul (1962 a 1963), vigário cooperador de Tarauacá (1964 a 1967) e diretor da Escola São José, em Cruzeiro do Sul (1968 a 1969).

Rio de Janeiro

Com nove anos de ordenação, ao passar por problemas de saúde, retornou ao Rio de Janeiro. Enquanto se submetia ao tratamento, tornou-se capelão da Beneficência Portuguesa, na Glória, pela provisão de 1º de dezembro de 1970.

Ao colocar-se à disposição da Arquidiocese do Rio foi-lhe, então, confiada a tarefa de organizar os documentos do patrimônio das paróquias e o acolhimento do clero ou de pessoas que procurassem os serviços da Cúria Metropolitana, chegando a conhecer a realidade de diversas comunidades.

Diversos ofícios

Pela provisão de 14 de agosto de 1973 foi nomeado vigário paroquial da Paróquia São Sebastião e Santa Cecília, em Bangu, por pouco tempo.

Em outubro de 1973, foi nomeado capelão do Colégio Nossa Senhora de Lourdes e do Hospital Estadual Jesus, ambos em Vila Isabel.

Pela provisão de 19 de março de 1975 foi nomeado vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Glória, em Laranjeiras, facilitando-lhe os estudos enquanto cursando a faculdade de pedagogia na Universidade Santa Úrsula, na qual se formou como orientador educacional.

Em março de 1976, foi nomeado vigário cooperador da Paróquia São Francisco Xavier, na Tijuca, e em dezembro do mesmo, também vigário cooperador da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Grajaú.

Pároco

No dia 29 de setembro de 1977, a pedido do bispo auxiliar Dom Eduardo Koaik, foi nomeado pároco da Paróquia Santo Antônio, em Água Santa, na qual permanece até hoje. Dois dias depois, no dia 1º de outubro, foi empossado como terceiro pároco pelo vigário episcopal monsenhor Romeu Brigenti, substituindo o então padre Antônio José de Moraes.

Também foi capelão do Instituto Presídio Ary Franco (nomeado em setembro de 1978) e vigário forâneo da 5ª Forania do Vicariato Episcopal Norte (nomeado em outubro de 2006).

Carlos Moioli

 

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.